Cifonauta banco de imagens de biologia marinha

Organização do banco

As fotos e vídeos do Cifonauta podem ser pesquisadas por meio de informações básicas (metadados), como espécie, localidade, autor, tamanho, etc. Estes marcadores organizados em categorias como técnica fotográfica, estágio de vida, habitat, etc, deixam a navegação mais informativa e interessante. Por exemplo, você pode querer procurar fotos de larvas de crustáceos tiradas em campo escuro, ou apenas navegar pelos estágios adultos de organismos planctônicos. A categorização das imagens e a descrição de cada marcador (com um exemplo aleatório) encontra-se abaixo.

Táxons

A classificação biológica utilizada não adota nenhuma proposta em particular e é construída automaticamente a partir do banco de dados do ITIS. Usando o nome do táxon (contido na imagem) conseguimos recuperar sua hierarquia taxonômica completa e construir uma árvore simples para navegação. Portanto, nem sempre a classificação estará de acordo com os últimos avanços de cada área; ela reflete quase estritamente os dados do ITIS. Somente em alguns casos, editamos manualmente a hierarquia para a proposta de classificação seguida pelo autor (ou especialista) que identificou a espécie.

Tamanho

Para dar uma ideia das dimensões dos organismos, criamos 5 classes de tamanho arbitrariamente. A fauna bentônica recebeu uma classificação adicional de tamanho: macrofauna, meiofauna e microfauna (ver item Modo de Vida, abaixo). Fotos dos ambientes não contêm informações de tamanho, mas caso estejam ilustrando algum organismo (por exemplo, cracas no costão), podem vir acompanhadas da escala relativa a esse organismo. As classes de tamanho são:

Tamanho Descrição Exemplo
<0,1 mm
Ciliado tintinídeo com lórica hialina +
Ciliado tintinídeo com lórica hialina
0,1 - 1,0 mm
Poliqueta ctedodrilídeo +
Poliqueta ctedodrilídeo
1,0 - 10 mm
10 - 100 mm
Estrela-do-mar +
Estrela-do-mar
Detalhe ilustrando pés-ambulacrais
>100 mm
Balanoglossus gigas +
Balanoglossus gigas
"A classe Enteropneusta engloba espécies solitárias, de corpo vermiforme, comumente alcançando mais de 1 metro de comprimento. Habitam, preferencialmente, fundos rasos, sendo 5 espécies registradas em São Paulo. Balanoglossus gigas, uma das maiores espécies do grupo, podendo atingir 2,5 metros de comprimento, está potencialmente ameaçada no litoral de São Paulo, devido à poluição das águas e do sedimento e ao assoreamento e aterramento das praias." (Rodrigues, 1999). Os excrementos de B. gigas são facilmente visualizados na superfiície descoberta da Baía do Araçá durante as marés baixas.

Técnicas fotográficas

As diferentes técnicas utilizadas para capturar as imagens do banco foram divididas em 4 categorias: submersa, macrofotografia, paisagem e microscopia. Para abarcar a variedade de técnicas de microscopia este último foi subdividido. Segue então a lista dos marcadores referentes às técnicas fotográficas:

Técnica Descrição Exemplo
mev Microscopia eletrônica de varredura.
Hidróide +
Hidróide
Hidrante, 35x.
mergulho Tirado embaixo d’água com caixa-estanque.
submersa
macrofotografia Detalhe tirado com câmera convencional; muitas vezes de organismos em aquários.
paisagem Mostra um ambiente.
Arquipélago de Alcatrazes +
Arquipélago de Alcatrazes
microscopia
confocal Microscopia confocal.
Larva plúteos de bolacha-do-mar +
Larva plúteos de bolacha-do-mar
luz polarizada Microscopia utilizando luz polarizada que revela estruturas birrefringentes.
Bolacha-do-mar juvenil +
Bolacha-do-mar juvenil
Lanterna de Aristóteles na região oral.
impregnação protargol Técnica de impregnação com prata.
Ciliado tintinídeo com lórica +
Ciliado tintinídeo com lórica
dic Contraste de interferência diferencial (ou Nomarski).
Larva plúteos de bolacha-do-mar +
Larva plúteos de bolacha-do-mar
Epitélio.
campo escuro Iluminação oblíqua e fundo escuro.
Ctenóforo bentônico sobre alga vermelha +
Ctenóforo bentônico sobre alga vermelha
campo claro Iluminação difusa.
Ouriço-do-mar +
Ouriço-do-mar
Detalhe de espinhos e pedicelárias.

Estágio de vida

Nem sempre os organismos fotografados são indivíduos adultos.

Estágio Descrição Exemplo
larva Estágio pós-embrionário que difere da forma adulta na sua morfologia, comportamento, habitat entre outros. Não se reproduz de maneira sexuada.
Lírio-do-mar +
Lírio-do-mar
Larva pentacrinoide sobre hidróide (Eudendrium carneum).
gameta Célula reprodutiva madura (espermatozoide ou óvulo)
Óvulos de bolacha-do-mar +
Óvulos de bolacha-do-mar
progênese
Poliqueta dorvileídeo +
Poliqueta dorvileídeo
juvenil Organismo que ainda não atingiu a capacidade reprodutiva, embora seja morfologicamente semelhante a um adulto.
Bolacha-do-mar juvenil +
Bolacha-do-mar juvenil
Ânus na superfície aboral do jovem (estrutura curva em vermelho).
paratomia
Poliqueta ctedodrilídeo +
Poliqueta ctedodrilídeo
metamorfose Mudança na forma e/ou estrutura do corpo que ocorre entre o estágio larval e a forma juvenil ou adulta.
Metamorfose na bolacha-do-mar +
Metamorfose na bolacha-do-mar
Luz polarizada realça o esqueleto calcário mostrando a estrutura dos espinhos, pés e remanescentes do esqueleto larval.
embrião Organismo em estágios iniciais de desenvolvimento.
Embrião de bolacha-do-mar com 16 células +
Embrião de bolacha-do-mar com 16 células
adulto Organismo com capacidade reprodutiva sexuada plena.
Sipuncúlido +
Sipuncúlido
Região distal do introverte - tentáculos.

Modo de vida

Cada estágio de vida de um organismo pode ter um modo de vida diferente. Por isso, essa classificação refere-se ao modo de vida da fase ilustrada na imagem.

Pelágicos Organismos que vivem na coluna d’água. Exemplo
planctotrófica Larva que se alimenta de organismos planctônicos
Ciliado tintinídeos com lórica hialina +
Ciliado tintinídeos com lórica hialina
pleustônico Que flutua na superfície da água, como algumas plantas e a caravela-portuguesa.
Caravela-portuguesa +
Caravela-portuguesa
pelágico Organismos vivendo na coluna d'água.
"Man-of-war fish" +
"Man-of-war fish"
Indivíduo de Nomeus gronovii coletado em associação com caravela Physalia.
fitoplâncton Referentes aos vários grupos de organismos aquáticos e autotróficos, desde os microscópicos e unicelulares até as formas multicelulares, que se distinguem das plantas verdadeiras por não possuírem raízes, caules e folhas.
Dinoflagelado +
Dinoflagelado
nectônico Vive disperso na coluna d'água mas é capaz de natação ativa.
planctônico Organismos que vivem à deriva na coluna d'água.
Larva plúteos de bolacha-do-mar +
Larva plúteos de bolacha-do-mar
Estágio com 3 pares de braços.
Bentônicos Organismos que vivem no leito dos oceanos e mares, fixos ou não a um substrato. Exemplo
bentônico Organismos que vivem no leito dos oceanos e mares, fixos ou não o a um substrato.
Caranguejo associado a uma bolacha-do-mar +
Caranguejo associado a uma bolacha-do-mar

Habitat

Também indicamos os habitats de cada organismo, quando possível.

Habitat Descrição Exemplo
banco não vegetado
Nematoda +
Nematoda
mesolitoral
Nematoda +
Nematoda
Boca com dente.
substrato artificial
Hidróide tubulariídeo +
Hidróide tubulariídeo
Colônia feminina.
baixio não vegetado
Nematoda +
Nematoda
Anfídio circular / Faringe com bulbo terminal.
entremarés Região costeira que fica exposta somente na maré baixa.
Nematoda +
Nematoda
Anfídio em forma de loop.
interface
Raia +
Raia
manguezal Ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho, dominado por espécies vegetais tí­picas, geralmente associado a locais onde há encontro de águas de rios e do mar.
Balanoglossus gigas +
Balanoglossus gigas
"A classe Enteropneusta engloba espécies solitárias, de corpo vermiforme, comumente alcançando mais de 1 metro de comprimento. Habitam, preferencialmente, fundos rasos, sendo 5 espécies registradas em São Paulo. Balanoglossus gigas, uma das maiores espécies do grupo, podendo atingir 2,5 metros de comprimento, está potencialmente ameaçada no litoral de São Paulo, devido à poluição das águas e do sedimento e ao assoreamento e aterramento das praias." (Rodrigues, 1999). Os excrementos de B. gigas são facilmente visualizados na superfiície descoberta da Baía do Araçá durante as marés baixas.
substrato consolidado
Budião, Peixe-papagaio +
Budião, Peixe-papagaio
Budião, Peixe-papagaio.
costão rochoso Ambiente de transição entre os meios marinho e terrestre, formado por rochas.
Vista geral do costão rochoso +
Vista geral do costão rochoso
praia Faixa de terra coberta de lama, areia ou seixos, às margens de um corpo de água.
Caranguejo-ermitão +
Caranguejo-ermitão
O caranguejo-ermitão adulto, também conhecido como eremita ou bernardo-eremita, vive alojado em conchas de moluscos gastrópodes.
substrato inconsolidado
Poliqueta nerilídeo +
Poliqueta nerilídeo
infralitoral Região costeira permanentemente submersa.
Poliqueta dorvileídeo +
Poliqueta dorvileídeo

Diversos

Marcadores que não se encaixam nas outras categorias. Podem ser termos comuns frequentemente procurados.

Outros Descrição Exemplo
espécie introduzida Espécie que foi acidental ou deliberadamente transportada para fora de sua área normal de distribuição.
Ofiuróide +
Ofiuróide
Ofiuróide invasor associado à gorgônia.
neotipo
Cubozoário +
Cubozoário
parátipo Um espécime selecionado para substituir um holotipo que foi perdido ou destruído.
Briozoário +
Briozoário
holótipo O espécime tipo utilizado na descrição original de uma espécie.
Briozoário +
Briozoário
medusóide
Hidróide +
Hidróide
Hidrantes.
espécie invasora Espécie cujo estabelecimento e dispersão ameaçam a diversidade biológica da região em que foi introduzida.
Ofiuróide +
Ofiuróide
Ofiuróide invasor associado a gorgônia.
placa de recrutamento
Briozoário +
Briozoário
coral
Coral-de-fogo +
Coral-de-fogo
alga
Hidróide +
Hidróide
Colônia crescendo sobre a alga verde Caulerpa uvifera.
unicelular Organismo consistindo ou formado por uma única célula.
Ciliado tintinídeos com lórica hialina +
Ciliado tintinídeos com lórica hialina
ameaçada de extinção
Balanoglossus gigas +
Balanoglossus gigas
"A classe Enteropneusta engloba espécies solitárias, de corpo vermiforme, comumente alcançando mais de 1 metro de comprimento. Habitam, preferencialmente, fundos rasos, sendo 5 espécies registradas em São Paulo. Balanoglossus gigas, uma das maiores espécies do grupo, podendo atingir 2,5 metros de comprimento, está potencialmente ameaçada no litoral de São Paulo, devido à poluição das águas e do sedimento e ao assoreamento e aterramento das praias." (Rodrigues, 1999). Os excrementos de B. gigas são facilmente visualizados na superfiície descoberta da Baía do Araçá durante as marés baixas.
seto marine biological laboratory
Hidromedusa de água doce +
Hidromedusa de água doce
cnidarian tree of life project
Cifopólipos +
Cifopólipos
simbiose Organismo que vive associado a outro, sem que haja prejuí­zo para ambos.
Molusco nudibrânquio simbionte de briozoário +
Molusco nudibrânquio simbionte de briozoário
água-viva Qualquer um dos vários animais gelatinosos aquáticos, particularmente o estágio de medusa dos cnidários.
Hidromedusa +
Hidromedusa
cebimar-usp Imagens produzidas no Centro de Biologia Marinha da Universidade de São Paulo (CEBIMar/USP).
Hidrozoário colonial flutuante - detalhe dos dactilozoóides +
Hidrozoário colonial flutuante - detalhe dos dactilozoóides
A Porpita é um hidrozoário colonial que vive flutuando na superfície do mar. Os pólipos estão arranjados concentricamente na superfície inferior de um disco central quitinoso. Há um pólipo grande central (gastrozoóide) e ao seu redor inúmeros gastro-gonozoóides, que são responsáveis pela ingestão de alimento e produção de medusas. Mais externamente, se distribuem os pólipos responsáveis pela captura de alimento e defesa, os dactilozoóides.